Bem Vindos - Welcome - Bienvenidos - Benvenutto

Objetivei com a idéia deste blog, compartilhar com todos os amigos e interessados em cultura, literatura, crítica e incentivo, um pouco sobre meus conhecimentos e sobre mim.
Aqui, você pode e deve expressar sua opinião a respeito do conteúdo, através de seus comentários, em-mails ou enquetes. Você pode também compartilhar o conteúdo em suas redes sociais.
Agradeço a todos os leitores e visitantes!
Namaste!

CasadeLilo, desde 2008

sábado, 20 de agosto de 2011

Último medo

Último medo


" Tenho medo de mim,
Poesia.
Ao bebericar do veneno mas inoportuno;
Eu sinto desvirtuar todo meu peito;
Ao debruçar-me sobre o leito que juntos nos fizemos,
Agora temo adormecer sozinho,
E se a coragem sobrar naquele ninho;
De eu mesmo tolher os amanhãs.


Eu tenho receio por confiança,
Na crença de que sou capaz.
Sou infiel a minha segurança,
Instavel ao meu olhar.
Quando me falta compreensão,
Sabedoria ou qualquer outro valor de entendimento;
Sou refém da ignorância gerada desse sentimento.


E em dúvidas afasto todas as pontas,
Vértices, cacos ou armas.
Fujo de fios, janelas e altura.
Em devaneios me lembro da droga abandonada;
E do adeus passado hoje me toma a loucura.


Ah se eu pudesse reger a dispersão dos fatos,
Se o meu final compusesse a saga sem fim.
Se minha decência tocasse em harmonia a trilha da vida,
Se de meus erros eu não fosse refém.


Ah se eu soubesse,
Se imaginasse.
Teria permitido a bossa nova que cumprisse minhas dedicatórias.
Se a ansia e o alcool que me entorpece não se antecipassem,
Seria eu, hoje; o portador da feliz oratória.


Ah se eu dissesse, palavras mágicas que funcionassem.
Tenho diversas crenças, credos e mitos;
Tenho tantas preces que nem sei se acredito;
Mas a fé,
É a última que morre.
Ela se faz com a esperança,
Que destina e balança as atitudes futuras.


Sem censura.
Tenho evitado evitar a voz,
E deixado o silêncio; a máscara.
Tenho me envolvido  sem medo;
Em xácaras que afrontam àquela vontade.


Ah, se sonhos fossem verdade.


E temores do depois,
E a crueldade lírica que zomba e crucifica o pulsar do meu corpo apaixonado.
Em versos desconverso o depois,
Pois sou errante e o fim é que tenho evitado.
Covardia.


Disperso e matutando;
Tentativas de amadurecer ideias eternamente precoces.
Um recado acovardado,
Amedrontado não foi nem é.
Sem Sentido.
E neste labirinto emocional sem nada dizer,
Sem pra onde correr;
Tenho medo de dormir.
Evito não te ter;
Procuro te ver,
Pra disfarçar a dor
e despistar a morte. "


- Lincoln Oms. Desafogo Atemporal. CasadeLilo

Nenhum comentário:

Receba as atualizações em seu e-mail.

Like!