Bem Vindos - Welcome - Bienvenidos - Benvenutto

Objetivei com a idéia deste blog, compartilhar com todos os amigos e interessados em cultura, literatura, crítica e incentivo, um pouco sobre meus conhecimentos e sobre mim.
Aqui, você pode e deve expressar sua opinião a respeito do conteúdo, através de seus comentários, em-mails ou enquetes. Você pode também compartilhar o conteúdo em suas redes sociais.
Agradeço a todos os leitores e visitantes!
Namaste!

CasadeLilo, desde 2008

quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

Interiorana

Interiorana.                        

“Ao entardecer grisalho,
A chuva despencava entre os galhos;
Úmidas as flores,
Encobriam com suas cores;
Retalhos.

O manto sem cor,
Sem forma;
Se fechava tão a frente,
Sem porta.
Sem alma.

Omissas,
As nuvens fundidas em prata.
Sua escrava,
No mesmo véu sem cor;
A garoa chata.

Distante,
O olhar parado admirava.
Entre os silvos do vento
O decorrer do tempo,
As tragadas molduradas pela janela
Esfumaçavam o entardecer enclausurado.

Aquela senhora
Tão grisalha como o manto,
Suspensa à vidraça,
A espera de algum amanhã.
Tão presa ao olhar a rua,
Quanto a fumaça do seu cigarro.

Imponente renascia o sol oeste,
Ofuscado pelos bichos de algodão;
Que intimidavam seus raios,
Aprisionados na maciez das formas celestes.

O véu se abria como as flores desabrochando,
Ouviam-se de longe os pássaros cantando;
Sentia-se o cheiro da noite,
Como o brilho das estrelas chegando.

Por entre o vão deixado pelo manto prata,
A chuva acrobata;
Caia novamente,
Encantando.

Molhadas,
As vitrines emparedadas pela curiosidade da senhora,
Eram fechadas pontualmente.
Por fora úmidas da chuva,
Por dentro encharcadas de lágrimas solitárias;
Enxugadas na barra das vestes imaginárias,
Que compunham o cenário démodé.
Precisamente.

Avistam-se escondidos,
Feixes de luz discretos.
Disputam com o céu estrelado,
Abóbada da terra;
Suspensos objetos,
Admirados.
Delicadamente ajoelhadas,
Muitas oram,
Outras bordam.
Eles se lavam ou dormem.
Ao fim das preces e de toda escuridão,
Descobre-se se o teto então é prata ou azul.
Ressurgem as nuvens do sul,
Onde o dia em prontidão;
Retoma seus detalhes.

Pássaros a cantar,
A chuva a cair,
O vento a soprar;
Flores a encobrir.

O entardecer chegará,
O manto ofuscará,
A senhora fumará
As tardes interioranas.
Onde todos têm hora para estar,
E ao partir todos tem planos.
Nada tem a falar,
Não te causam nenhum dano.
Apenas o decorrer do tempo,
Por trás do olhar parado;
Do início do ano.”

- Lincoln Oms. Divagando. CasadeLilo


Nenhum comentário:

Receba as atualizações em seu e-mail.

Like!