Bem Vindos - Welcome - Bienvenidos - Benvenutto

Objetivei com a idéia deste blog, compartilhar com todos os amigos e interessados em cultura, literatura, crítica e incentivo, um pouco sobre meus conhecimentos e sobre mim.
Aqui, você pode e deve expressar sua opinião a respeito do conteúdo, através de seus comentários, em-mails ou enquetes. Você pode também compartilhar o conteúdo em suas redes sociais.
Agradeço a todos os leitores e visitantes!
Namaste!

CasadeLilo, desde 2008

sexta-feira, 3 de setembro de 2010

Misericordiosa

Misericordiosa

“Contaram-se os dias.
Ditaram-se as horas,
Foi-se tudo, outrora;
Resquícios e nostalgia.

Tempos que incandesceram sentimentos,
Abarrotados dos frios lábios;
Tão crus,
Tão nus;
Que incendeiam a palidez escultural da presença.
Omitem intentos.

A tenacidade da pele,
A rigidez do toque,
Tão sutil, a ser odiosa;
Atritando entrelaçados os dedos.
Medos.
Segredos.
Misericordiosa.

Sangram pelo ventre,
Os imaculados vértices da ausência.
Odor da abstinência.
Rasgam o véu da descrença,
A falta como doença.
Misericordiosa.

Sobre letradas marcas,
Deixadas no arrepio da estação;
Sobrevivem histórias inacabadas,
Desprovidas de intenção.

No vazio,
Restante o eco das mudas virgens que gritavam,
Enquanto véus se rasgavam;
Sangrava-se o ventre.
Lágrimas derrubadas presenciavam,
Debruçadas em cachos de sorrisos estreitos.
E ainda em leito,
Desvirginava a pureza emocional;
Surto ocasional.
Tudo se findava.
E então partia.
Nostalgia. Nostalgia.
Misericordiosa.

Súplicas fermentadas,
Nós de garganta que trepidavam.
E rogavam.
Nós dos dedos que estalavam,
Não mais há.
‘- Nós que separados,
Partimos’.

Pausada morte que se lamenta.
‘- Na crueldade, se és tão lenta;
Pois que sepulte sem ferir. ’

Sem a dor não seria fim,
Não seria morte.
Não haveria sentir.
Não seria, castigo.

Em acenos partiu o frio,
Ainda habita em coração.
Não somente as mãos,
Mas o sentir hostil.

Por entre os dedos,
Esvaíam-se as gotas sangradas do ventre;
Perspicácia inconsciente,
De conter todos os mistérios.
Todos os méritos.
Todo o credo.

Tolo,
Sepultaste junto ao corpo, o véu?
Oras, pois sob a terra põe teu fel.
Que o sangue seco,
É a falida marca que deixaste sobre teu caráter.
E quando aquecerdes tuas mãos,
Põe sobre o peito,
Para que em dias, se proveito;
Aqueças também teu coração.

E das cinzas invernais,
Tudo se dissipou.
Restaram sorrisos amarelados,
Olhares cantonados;
Mas de solidez, nada sobrou.

Assassinado eternamente o amor condicionado.

Impetuosa.
Sede tão fria, de toda sorte;
Amarga.
Impuseste vosso norte,
Então vá, saudade.
Sede também honrosa.
Tenha pena dos amantes,
Dos pecadores;
Misericordiosa.”

- Lincoln Oms – Sepulcros emocionais – CasadeLilo.

Nenhum comentário:

Receba as atualizações em seu e-mail.

Like!