Bem Vindos - Welcome - Bienvenidos - Benvenutto

Objetivei com a idéia deste blog, compartilhar com todos os amigos e interessados em cultura, literatura, crítica e incentivo, um pouco sobre meus conhecimentos e sobre mim.
Aqui, você pode e deve expressar sua opinião a respeito do conteúdo, através de seus comentários, em-mails ou enquetes. Você pode também compartilhar o conteúdo em suas redes sociais.
Agradeço a todos os leitores e visitantes!
Namaste!

CasadeLilo, desde 2008

terça-feira, 3 de março de 2009

Distância

“ Nas mais profundas e sinceras palavras
Por mais que feitas em oitavas,
Contadas o segundo, o minuto o instante,
Que adiante,
Não se sabe o caminho.

Destino,
Já como um pequeno menino,
Caminha incontrolável e imprevisivelmente,
E a cada passo, a cada pensamento,
Entra em uma confusa sintonia,
Alegria, felicidade,
Logo,
Tristeza, calamidade.


O conforto que vêm,
Através das sinceras palavras,
Trás paz..
Vontade.

Mas em indescritíveis momentos..
Se passa,
Mutando de uma maneira absorta,
Momento que é, se transforma,
E em instantes..
Já não se sabe.

A angústia de conviver na dúvida,
De viver na esperança eterna!
De viver na distância
Na condição enferma,
Que de grande importância,
Fere os sentimentos resguardados

O medo de viver..
Não sabendo o futuro
Que mesmo que lindo até então,
Torna-se obscuro
E em uma inocente e involuntária ilusão,
Toma por todo..
O coração.

É tão bom sentir,
Estar,
Amando.

As borboletas,
Voando,
Colorem cada movimento...
E o doce som das águas,
Sussurra docemente ao pé do ouvido,
Silencioso, como que escondido,
Proferem as palavras
Adocicadas como o destino,
Como aquele menino.


Caminha-se juntos..
Por caminhos semelhantes
O alvo sempre avante
Mas os obstáculos
Separam os corpos,
Que antes mortos,
Hoje, ainda acesos,
Estão coesos com o acontecimento,
Mas não apoiando então,
Sofrem de amor..
Sofrem com paixão.

Os caminhos se estreitam
Aproxima-se o calor agora,
Mais que outro dia outrora,
Mesmo que perto,
Ainda distantes,
Dias marcantes.

Como que perante o tesouro,
E as mãos atadas em filamentos de couro,
E nada possibilitando o contato,
Insensato.

Cruelmente dói dentro do peito sofrido,
Hoje esquecido,
Mesmo que contente,
Exala o que se passa,
Derrubando as últimas e raras lágrimas geladas,
Fria como o sentimento que ainda se passa,
Que os enlaça,
Doído..
O peito chora,
Sangra,
E em ternos sentimentos,
Cicatriza marcado,

Mas ali ainda permanece,
E escorrendo pelo rosto céptico,
Delineia-se traços vívidos,
Mas em foco dos olhares,
Os corações,
Os sentimentos
As intenções,
Os desejos,
As condições;
E o comum objetivo,
O contato entre os corpos e ternas afeições.”


Por Lincoln Ohszmãnn

Nenhum comentário:

Receba as atualizações em seu e-mail.

Like!